20/11/2012

Igreja Universal inaugura templo em país muçulmano

0 comentários

igreja universal sudão - Priscila e Maxwell Palheta

“E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.” Marcos 16:15

Nada é mais precioso para um servo do Senhor do que ouvir a Sua voz lhe chamando. Porém, o mais importante não é saber ouvir, mas sim ACATAR! Cristo disse para nos lançarmos na pregação por todos os lugares mas tem sido poucos os que cumprem tal ordem. E outros ainda esperam que as massas venham até a Igreja, quando é exatamente o contrário, a Igreja de Cristo é que deve avançar nessa direção, ganhar almas. Este é o propósito!

Priscila e eu sempre conversamos sobre a nossa finalidade no que diz respeito ao comprometimento com Cristo e procuramos sempre cumprir o “IDE”. O Senhor Deus em toda a Sua grandeza nos abençoou com a Sua presença onipresente e é com esta armadura que prosseguimos falando do amor de Cristo e da importância da salvação. Lançar a semente é o que fazemos (Mateus 13) e damos glórias a Deus por todos os irmãos que se empenham nesta grande obra.

“Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” Mateus 18:20

Devemos ter em mente que todo enviado de Cristo é um semeador de igrejas e é sobre isso que quero falar. Já fiz inúmeras críticas ao bispo Edir Macedo aqui neste blog. E hoje em especial quero parabenizar o trabalho da Igreja Universal, na África do Sul, onde o bispo João Leite é o responsável, a quem conheço pessoalmente.

 

igreja universal sudão 4 - Priscila e Maxwell Palheta

Pastor Dyu e sua esposa

A IURD conseguiu adentrar num país 100% muçulmano, o Sudão. Parabéns pela coragem dos bispos, pastores e obreiros que fazem parte deste valioso trabalho. O amor às almas não tem preço. Sabemos dos perigos e dificuldades que encontrarão nestas terras, por isso peço a todos que orem pelos pastores Richard, Dyu e sua esposa.

 

igreja universal sudão 2 - Priscila e Maxwell Palheta

Primeiro culto

igreja universal sudão 3 - Priscila e Maxwell Palheta

 

igreja universal sudão certificado1 ok - Priscila e Maxwell Palheta

 

igreja universal sudão certificado2 ok - Priscila e Maxwell Palheta

 

A igreja foi inaugura dia 11/11. Já no primeiro culto começou com um pequeno (grande) fluxo de 12 pessoas ao todo. É um grande avanço para o Reino de Deus, um tremendo exemplo para todos nós e uma porta que se abre na esperança de alcançar países tão extremistas. Pensemos quantas igrejas posteriormente não poderão ser abertas? A Palavra de Deus mais uma vez se cumpre quando revela que Cristo voltará assim que o evangelho for pregado em todo o mundo. Glórias ao Salvador!

P.S: Espero que a tal Teologia da Prosperidade funcione por lá.



Postar um comentário

18/11/2012

Maxwell Palheta: um cristão medieval

0 comentários

Maxwell Palheta Medieval - Priscila e Maxwell Palheta

 

Quem é medieval? Aquele que sabe dar uma opinião sobre assuntos cotidianos, ou o contemporâneo que nada sabe discernir?

A história da humanidade está divida em cinco frases: idade pré-histórica, antiga, média, moderna e contemporânea.

Eu particularmente me enquadro na ERA MEDIEVAL – irei explicar isso mais adiante. Alguns possuem mentalidade da era antiga – tipo aquela coisa conservadora - e outros uma cabeça contemporânea.

Sou medieval e talvez meus pensamentos sejam um pouco antiquados também... Não posso esquecer da garotada, dos jovens dito contemporâneos, estes que vão se alastrando e crescendo conectados a computadores, a celulares que funcionam como computadores e mais um montão de parafernálias tecnológicas. E isso em parte exemplifica porque os blogues, e suas reproduções para essa turminha, não têm 5% da importância que teve para a minha geração.

Eu, hoje, transladado num velho bem humoradamente ranzinza e irônico para alguns, em minha época viveria as melhores mobilizações, tanto culturais como políticas. E isso influenciava modelos sociais, tome nota!

Quem se importava realmente com uma boa literatura tinha onde recorrer, pois tínhamos referências. Hoje, a visão e os exemplos para esta geração, quando existe – se é que existe – tem nos blogueiros uma “literatura” muito, mas muito aquém no que diz respeito à importância e relevância.

O simples advento de podermos encontrar na web todo tipo de blogueiro não apenas dilacerou o que chamamos de “pensar”, mas tirou todo o ânimo dos leitores em acompanhar e prestar a atenção naquilo que lê.

As pessoas de antigamente davam mais valor à leitura porque gastavam tempo e dinheiro para adquirir um livro, e por este motivo extraíam tudo o que podiam. E o mais interessante é que quanto mais se lia, mas se compreendia. Hoje, acontece exatamente o contrário. Nem o leitor e nem o blogueiro se entendem.

Blogues e blogueiros “geneticamente modificados”, esses tipo: sem dedo, sem cabeça, sem percepção, são o resultado da nova geração, são os jovens contemporâneos, estes perfeitamente manipuláveis. E se são manipuláveis, são uma farsa.

O blogueiro contemporâneo e “inovador” é tão falso quanto um OVNI e tão pequeno que cabe numa pasta de arquivos.

O que posso esperar de uma geração de blogueiros que só conheceu a web 2.0 e levam isso como referência? Não estou sendo pessimista...

Vou explicar porque sou medieval...

Reparem que de alguns anos pra cá, o tal “progresso” apenas nos trouxe complicações e tem promovido a degradação moral dos viventes. A tecnologia, ao mesmo passo, surgiu como aparente solução para nossas dificuldades. Agora são os nerds Steve Jobs, Bill Gates e Gordon Moore, as sensações deste planeta.

Sou um sujeito medieval, egoísta e prático, por exemplo: carro é apenas um meio de transporte, telefone serve apenas para se comunicar, José Sarney é ladrão, o ex-presidente Lula sabe do mensalão e eu não compartilho minha mulher com ninguém. E isso é óbvio e inquestionável. E neste mundo contemporâneo tem homem (ou mulher) que prefere ser voyeur. E quem vai questionar...

Na minha era medieval a coisa não era tão ruim assim, mas o mundo de hoje decaiu numa depressão sem volta. Essas coisas de OVNI e zumbi, por exemplo, estão deixando nossa gente mais agitada e mais apta a aceitar tais maluquices. E vai questionar com o blogueiro que defende esse tipo de ideia! Triste vermos como as pessoas se tornaram vítimas das crendices e invenções pós-moderna.

Hoje em dia, quem fica longe de postar algo na internet? Se vai à praia, escreve no celular. Se for a um restaurante ou bar, lá está no celular. Se for almoçar ou dormir, tem que avisar antes no Facebook. Ao acordar tem que consultar a caixa de e-mails e as atualizações nas redes sociais e por aí vai... É a evolução da máquina. O povo está mais frio, mais distante, mesmo estando ao lado.

Hoje a massa está mais burra, se eu perguntar quem foi o Ministro da Fazenda durante o governo FHC, o sujeito vai sair de fininho e consultar no Google. E essa é uma característica das massas contemporâneas: a burrice.

Jamais irei apoiar as mazelas impostas por gente que se diz blogueiro conspiracionista. Existem contemporâneos que já se incumbiram desse serviço.

Sou medieval o bastante para não seguir acreditando em tudo o que leio, ou seja, na fadinha dos dentes, nos zumbis ou em OVNIs.

Compreenda...

Pode parecer concorrência com outros blogueiros ou uma tentativa de desmoralizar o trabalho alheio. Não é isso! Estou tentando combater a “flodagem” na internet promovida por muitos picaretas desinformantes. É isso!

Blogueiros que não possuem um mínimo de senso e apenas servem para renoticiar o que chamam de ASSUNTOS CONPIRATÓRIOS. E isso para agradar (sabe-se lá quem) aos cérebros efêmeros.

Como sou “assíduo” visitante de sites “conspiracionistas”, diariamente minhas vistas lacrimejam sangue. Fico com náuseas e as incontroláveis risadas logo tomam conta do meu ser. Agora, como ficar ileso ao saber que este tipo de gente anda livre e solta para cometer todo tipo de bobagem?

Assim como muitos curtem o “cantor” Michel Teló, existem blogueiros em forma de Michel Teló. Desgraça pouca é bobagem.

Tomei uma decisão muito séria em minha vida, estou indo para Dudinka, fica lá na Rússia, espero que lá não tenha internet e se tiver espero que não tenha sites idiotas para não me contaminar com tantas bobagens. Mas como a internet é uma coisa mundial, vou pegar carona no primeiro OVNI que passar e mudarei de planeta.

O que mais me angustia é quando pseudoblogueiros fazem seus leitores acreditarem em aparições alienígenas e outras porcarias postadas como zumbis, por exemplo. Falta de discernimento espiritual dá nisso! Quem geralmente tinha frequentes contatos com estes seres era o satanista Aleister Crowley.

Não tenho “papas na língua” e sou tagarela, os internautas precisam saber o que é um blog de verdade (e isso não inclui o meu) mas, por favor, chega de contos de fadas.

O que faz milhares de leitores dar crédito a mediocridade é um segredo para quem lê coisas relevantes com, apenas alguns neurônios em pleno vapor.

OVNI, 3ª Guerra Mundial, Nova Ordem Mundial? O fim da mundo já começou.

Sou medieval, sim! Uma carta para meus ancestrais.

Queridos ancestrais do século XV. As parafernálias aqui nesta presente data, a saber 2012, são avançadíssimas se comparadas às nossas. Existem inúmeras ferramentas que auxiliam os homens em seus afazeres, tornando assim tudo mais dinâmico. A proposta inicial é para que eles se cansem menos e produzam mais.

Irmãos tem algo que me entristece muito. Criticam-me e dizem que sou medieval. Vivemos na “Idade Média”, e essa é a denominação pela qual classificam nossa época.

Mas a questão é...

Dizem que agimos como brutais, ignorantes, fanáticos e atrasados. Fundamentam-se referindo as labaredas da Inquisição, a servidão, as regalias da nobreza, os calabouços de torturas, as mulheres que eram tidas como bruxas. Evidentemente, não irei contrapor a tais afirmações que se fazem sobre nosso período histórico. Entretanto, os inquilinos desta época deveriam ser mais críticos a si próprios!

Não existem mais aquelas fogueiras para os desleais. Porém, a incomplacência das religiões ocasiona na morte de milhares de pessoas. Não atrocidam as bruxas, todavia as damas seguem sendo tratadas com inferioridade. E as torturas que antes eram nos calabouços, agora realizam nas esquinas e à luz do dia.

Aqui ninguém é obrigado a trabalhar. Mas se não quiser, morre de fome. Ante a lei que os rege, são todos iguais. O problema é que essa semelhança submerge frente às diferentes camadas sociais e econômicas. A nobreza já não existe, mas os exploradores permanecem. O que repudiávamos, mudaram apenas de nomes, pedofilia, racismo e xenofobia.

Eles têm acesso a muita informação, só que não sabem interpretar para gerar conhecimento. Muitos escritores – que chamam de blogueiros – escrevem seus textos sem pensar e isso deixa qualquer um doido. Os textos criados não possuem qualidade e não tem conteúdo, nada é conciso e não produz reflexão.

Eles não sabem se expressar ou passar a visão do tema abordado, não possuem uma opinião própria. Apenas reproduzem o que viram ou leram. Eu não tenho medo de dizer que um blog é ruim, eu apenas não tenho coragem de dizer que ele é bom. Isso seria uma mentira.

Irmãos da Era Medieval relatei as coisas desta parte da história. Triste não é? Estou voltando pra casa, está insuportável viver aqui!

 

Conclusão:

Posso concluir isso tudo com a seguinte opinião: nos tempos medievais uma coisa era muito melhor: era muito mais complicado qualquer imbecil poder expor suas opiniões. Não que isso fosse exclusividade dos mais literários, em ser percebidos pelas pessoas, mas a simplicidade para se ter um espaço na internet através de um blog permite que qualquer um tenha a aura de sentir-se um formador de opinião. Quanto mais vício no falar, mais fácil o blogueiro de sentir-se celebridade.

Antigamente, bobos como eu, reduziam-se a manifestar seus comentários na calçada da esquina, lugar de onde eles nunca deveriam sair. Estou ciente da minha contradição. De qualquer maneira antigamente não existia uma caixinha para comentários no caso de você discordar da minha opinião. Agora que tem, faça bom uso dela! Minhas opiniões não são moderadas, gosto desse microscópico poder. E quem não gosta? Antigamente não tinha isso.

Apesar de todos nós termos opiniões divergentes, defendo o direito de cada um expressar-se. Amo a todos em nome de Cristo Jesus.



Postar um comentário

17/11/2012

‘Psicopatia’ pode ter cura

0 comentários

Transtorno de Personalidade Antissocial (TPA) é atualmente a classificação dada pela psicologia para se referir tanto à Psicopatia quanto a Sociopatia. Para alguns autores de livros, os dois se diferenciam basicamente, pelo tipo de origem do transtorno. A TPA é denominada como um suposto ‘distúrbio mental grave’ e que designa um indivíduo que tem personalidade psicopática e que é clinicamente perverso. De acordo com a perspectiva psicanalítica são os portadores de neuroses de caráter ou perversões sexuais. SÃO TODOS ‘INDIVÍDUOS INCURÁVEIS’ pelos tratamentos até hoje existentes por serem incapazes de absorver conceitos e valores éticos.

psicopatia tem cura - priscila e maxwell palheta

As principais características do indivíduo com o TPA também foram descritas pela literatura, como destacamos a seguir:

. Desvio de caráter,

. Vazio existencial e tendência ao tédio,

. Ausência de sentimentos genuínos, frieza, insensibilidade aos sentimentos alheios, sadismo,

. Emoções superficiais e teatralidade,

. Incorrigibilidade, ausência de remorso e culpa para atos cruéis,

. Inflexibilidade com castigos e punições,

. Muito mais razão que emoção,

. Encanto superficial e sedução,

. Mentiras e comportamento fantasioso,

. Egoísmo e egocentrismo,

. Manipulação,

. Irritabilidade e intolerância às frustrações.

Estes são os maus frutos dos que supostamente estão acometidos por esta ‘doença mental’ e em função deste tipo de comportamento tão hostil e perigoso qualquer indivíduo qualificado/classificado de acordo com esta nomenclatura seja pela psiquiatria ou psicologia está ‘CONDENADO POR TODA A SUA VIDA A NÃO SE RECUPERAR SEJA QUAL FOR O TRATAMENTO EMPREENDIDO’.

Geralmente, logo que diagnosticados, ficam presos por curto ou longo tempo, são condenados à cadeira elétrica ou até mesmo permanecem soltos por aí com suas ideologias cruéis, se passando por grandes líderes.

Pelo fato de gostarem da sensação de poder, serem muito persuasivos e não medirem esforços para atingir seus objetivos, os ‘psicopatas’ ascendem muito rápido em suas profissões; por isso é comum que esses indivíduos ocupem importantes cargos ligados a mídia e a política. A maçonaria está repleta deles, por exemplo.

Não há como citar todos os assassinos em série (serial killers), num passado tão tumultuado e violento como o da humanidade, mas algumas personalidades mundiais foram classificadas com o TPA: os imperadores romanos Nero (54 - 68) e Calígula (37 - 41); o ditador Adolf Hitler (1889 -1945); os Papas que lideraram a Inquisição, o assassino britânico de prostitutas, Jack Estripador; o cangaceiro brasileiro, vulgo Lampião (1898 - 1938), etc.

Observando por uma ótica cristã

A única maneira de elucidar e compreender a fundo este tipo de assunto é pela ótica bíblica. Para iniciar este estudo, uso por base a Palavra de Deus, orientada nos seguintes versículos:

“Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça” 2 Timóteo 3:16;

“E não comuniqueis com as obras infrutuosas das trevas, mas antes condenai-as” Efésios 5:11;

“Porque nada há encoberto que não haja de ser manifesto; e nada se faz para ficar oculto, mas para ser descoberto” Marcos 4:22.

Vamos partir do raciocínio de que conhecer o criador da psicanálise se faz necessário para se conhecer as obras que deram origem a muitos pensamentos da psiquiatria moderna. Suas idéias são frequentemente discutidas e analisadas como literaturas e cultura geral em adição ao contínuo debate ao redor destas no uso como tratamento científico e médico.

Sigmund Freud era maçom, se utilizou de técnicas como hipnose para fazer suas experiências e era adepto do uso da cocaína como analgésico e antidepressivo em alguns pacientes. E apesar de tudo, fez muitos discípulos.

Para os que não acreditarem que ele foi um maçom (Sociedade Secreta a qual combatemos enfaticamente em nosso trabalho), eis aí uma prova, retirada de um site maçom que listou o nome de alguns ‘ilustres maçons’ da humanidade:

maçonaria grande oriente maçons ilustres - priscila e maxwell palheta

 

freud maçom psicopatia - priscila e maxwell palheta

Fonte

 

Teria Freud, com seus estudos de psicanálise, alguma condição moral de orientar esta ciência em seus avanços? Além de ser maçom e negar a verdade da Bíblia Sagrada ele era adepto da hipnose, prática condenada pela mesma Palavra.

Por desconhecer os versículos que colocaremos a seguir que trata justamente da PERSONALIDADE A QUE TANTO A PSIQUIATRIA E SUAS VERTENTES TENTAM ESTUDAR E CLASSIFICAR (principalmente neste fim dos tempos), ele jamais citou a Bíblia, jamais a utilizou em sua vida. Vejamos:

“Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos.

Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos,

Sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons,

Traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus,

Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te.

Porque deste número são os que se introduzem pelas casas, e levam cativas mulheres néscias carregadas de pecados, levadas de várias concupiscências;

Que aprendem sempre, e nunca podem chegar ao conhecimento da verdade.

E, como Janes e Jambres resistiram a Moisés, assim também estes resistem à verdade, sendo homens corruptos de entendimento e réprobos quanto à fé.

Não irão, porém, avante; porque a todos será manifesto o seu desvario, como também o foi o daqueles.”

2 Timóteo 3:1-9

 

Ora, a quem se refere esta passagem se não aos homens classificados como ‘psicopatas/sociopatas’? Por não conhecer a Palavra de Deus, muitos homens estudiosos da psiquiatria e psicanálise, negam a eficácia dela. Mas a Bíblia já descrevia há mais de 2000 anos atrás aquilo que hoje conhecemos como desvios de caráter. Se observarmos atentamente e compararmos com as características citadas no início deste texto sobre TPA, veremos que o desvio de caráter é o que responsabiliza os demais sintomas. Fazem parte da denominada ‘síndrome de Lúcifer’, como veremos adiante.

A Bíblia ainda é enfática: “Destes afasta-te.” E diz isso porque são homens de fato perigosos que precisam de uma libertação espiritual por Jesus Cristo urgentemente. Algo que pela gravidade em si do desvio de caráter pode se constituir bastante difícil. Por experiência própria já convivi com ‘psicopatas’ e sei bem do que se trata.

A Bíblia ainda prossegue no contexto: “Porque deste número são os que se introduzem pelas casas, e levam cativas mulheres néscias carregadas de pecados, levadas de várias concupiscências; que aprendem sempre, e nunca podem chegar ao conhecimento da verdade. E, como Janes e Jambres resistiram a Moisés, assim também estes resistem à verdade, sendo homens corruptos de entendimento e réprobos quanto à fé”.

Não é mera semelhança com estupradores, ladrões, corruptos e demais homens maus. Neste fim dos tempos eles têm sido cada vez mais comuns. A Bíblia nos orienta a se distanciar deles. Mas obviamente precisamos dar bom testemunho de nossa vida cristã a fim de que alcancemos também estas almas. Precisamos levar a todos o evangelho do Senhor.

A Palavra de Deus nos mostra que o fim destes é abreviado, além disso, todos eles colhem os frutos de suas próprias maldades. E é Satanás quem alimenta o ego e poder de cada um deles. Por isso, a importância de não estarmos entrelaçados com pessoas assim. Seus negócios costumam estar em destaque em função da posição e do dinheiro que possuem, suas riquezas são seu próprio deus, seus feitos são imundos, mas suas recompensas são as piores. Nada ficará em oculto que não venha a ser revelado, como diz o livro de Marcos. Caso permaneçam com suas perversidades e não se arrependam delas, já se tornam sentenciados segundo a Palavra.

A psiquiatria nada mais fez do que distorcer a verdade imputando uma classificação que ROTULA uma pessoa que foi criada longe dos caminhos do Senhor, ou seja, negou o nome de Cristo em seus atos durante sua vida.

O ser humano classificado com o TPA fica à margem da sociedade e impedido de conhecer sua própria libertação, principalmente quando é pobre. No caso dos corruptos ricos ou banqueiros, a justiça lhes acoberta. Mas da justiça de Deus eles não escaparão!

A transformação pelo poder de Deus

É imprescindível - principalmente nestes últimos tempos que são maus - entender a história do mundo como se deu até aqui. E isso nos previne de diversos erros fatais e de ardis ciladas de demônios.

Desde que o Senhor criou o homem à Sua imagem e semelhança, Seu inimigo número um luta com todas as artimanhas para iludir a humanidade a fim de que perca sua salvação. Satanás está infiltrado nos bastidores de todo o cenário mundial – política, mídia, entretenimento, etc. – com o objetivo de não somente deturpar como destruir todos os valores cristãos (todo o mundo jaz no maligno. 1 João 5:19). Sabendo disso, podemos perceber o caos instalado no mundo acontecendo por intermédio de ideologias de homens que estão no poder. Estes homens atuam com maldade por se afastarem das leis do Senhor. De fato, o homem, por natureza não é bom, mas a degradação social se estabeleceu principalmente porque o povo virou as costas para Deus, dando legalidade ao Diabo agir em sua vida.

Muitas pessoas acreditam no infinito poder divino, mas não compreendem a magnitude d’Ele em transformar vidas. Também parecem não conhecer a personalidade de Satanás que desde o princípio foi mentiroso, soberbo e suicida. Ele vem agindo contra a humanidade desde o jardim do Éden de forma persuasiva, ludibriosa e vil.

Quando Satanás está à frente de qualquer projeto humano, espiritualmente podemos discernir suas características maléficas contundentes impressas ali. Lúcifer, o expulso querubim dos céus, tinha como principais traços de personalidade a soberba, a vaidade e o orgulho. Ele queria estar acima de Deus e seu objetivo era o poder sobre todas as coisas existentes. Não havia escrúpulos para almejar o Trono divino. Mas foi o Senhor Deus quem interrompeu seus planos diabólicos, lançando-o no inferno. E é para lá que ele quer arrastar os que fazem sua vontade.

O ser humano, vítima das garras de Satanás, apresenta exatamente estas características presentes no TPA. E em decorrência disso, os outros sinais e sintomas da dita ‘doença mental’ se fazem constantes, como por exemplo, o VAZIO EXISTENCIAL. Este é o alto preço que se paga por se afastar do Criador. Não é difícil entender o porquê de todos estes sintomas do TPA. Todos eles são os maus frutos em função de um estilo de vida espiritual oprimido que se leva.

O homem ganancioso que almeja lugares cada vez mais altos ‘passando por cima’ dos outros (se for necessário), só pode colher de fato a solidão, o vazio espiritual, a insensibilidade afetuosa. Principalmente se ele mata com este fim. O egocentrismo, a falta de sentimento e o sadismo são características alimentadas no ego do homem pelos demônios a serviço do Diabo. Estes são os frutos da humanidade longe do único e verdadeiro Deus que é o puro amor e justiça. Este último, por sua vez, é uma virtude que só pratica quem tem o temor de Deus. Em contrapartida, podemos destacar os bons frutos daqueles que amam e seguem o evangelho de Cristo:

“Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança.” Gálatas 5:22

Infelizmente a psicologia e a psiquiatria tiveram como base idéias de homens guiados por espíritos demoníacos. Elas podem até inibir a sã doutrina cristã.

Certa vez, enquanto esteve aqui na terra, o Mestre Jesus livrou uma prostituta de ser apedrejada, dizendo apenas que quem não tivesse pecado que atirasse a primeira pedra. Ele a salvou dizendo: “vá e não peques mais”. O mundo não entende como a doutrina bíblica da verdade é libertadora, por isso criam rudimentos, filosofias e orientações segundo o próprio entendimento, que na maioria das vezes distorcem a Palavra. A ciência classificou o TPA como algo INTRATÁVEL!

Estão longe de reconhecerem os Direitos Humanos. Os próprios profissionais da psiquiatria se utilizam de termos que reduzem o homem a um ‘defeito mental’ extremamente discriminatório. O sofrimento dos homens e de suas famílias é de longe a preocupação primordial destas ciências frias.

Vamos recordar o exemplo de Apóstolo Paulo:

“E persegui este caminho até à morte, prendendo, e pondo em prisões, tanto homens como mulheres,

Como também o sumo sacerdote me é testemunha, e todo o conselho dos anciãos. E, recebendo destes cartas para os irmãos, fui a Damasco, para trazer maniatados para Jerusalém aqueles que ali estivessem, a fim de que fossem castigados.

Atos 22:4-5

Como vimos ele era um homem que perseguia, torturava e matava mulheres, homens e crianças. A psiquiatria de hoje o poderia classificar com o TPA, mas o Espírito Santo de Deus conhecia o coração deste homem e o visitou certa vez, como vemos a seguir:

“Ora, aconteceu que, indo eu já de caminho, e chegando perto de Damasco, quase ao meio-dia, de repente me rodeou uma grande luz do céu.

E caí por terra, e ouvi uma voz que me dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues?

E eu respondi: Quem és, Senhor? E disse-me: Eu sou Jesus Nazareno, a quem tu persegues.”

Atos 22:6-8

A Bíblia nos revela que a partir deste momento Paulo passou por algumas grandiosas transformações em sua vida. Ele começou a pregar o evangelho em todos os lugares sofrendo todo tipo de perseguições e torturas. Até o fim de sua vida levou a verdade de Cristo. Esta é a maior prova de que existe esperança de regeneração para os cativos de alma. O que a psiquiatria/psicanálise/psicologia não ensina é a libertação pelo nome de Jesus Cristo e isso eles jamais irão ensinar!

“Portanto, não te envergonhes do testemunho de nosso Senhor, nem de mim, que sou prisioneiro seu; antes participa das aflições do evangelho segundo o poder de Deus.” 2 Timóteo 1:8

Crítica à realidade brasileira

Obviamente, com o sistema investigativo das polícias, o sistema penitenciário e judiciário e o atual Código Penal Brasileiro todos com padrões medievais e necessitando de reformas urgentes é praticamente impossível se resgatar uma simples vida.

Não podemos esquecer do serviço psiquiátrico que à margem da falência, somente têm condições de rotular seus “pacientes”, principalmente quando tem baixo poder aquisitivo.

Por isso, a voz da sociedade ao criminoso em geral é: Mata-o! O povo sabe que o resgate de seres humanos no país jamais foi um foco do governo.

Nosso país tem uma das maiores desigualdades sociais do planeta, temos altos índices de violência que superam regiões do mundo altamente perigosas. Não nos admiraria termos um número exacerbado de delinqüentes. A corrupção criou raízes tão fortes que não consegue mais se dedicar às necessidades básicas desta nação. As lideranças políticas não se esforçam para socorrer os filhos desta pátria porque recebem dinheiro do próprio tráfico que mata dezenas por dia. A corrupção seria a própria ‘doença mental’ protegida de condenações e grades.

A educação está em decadência, a juventude não é prioridade do governo e a Palavra de Deus foi proibida nas escolas! Países onde há melhor distribuição de renda e acesso à educação de qualidade têm menores índices de pequenos infratores. Embora isso não resolva o caso em sua totalidade porque as crianças não estão sendo doutrinadas na Palavra de Deus, do contrário ficam entregues aos jogos eletrônicos violentos, filmes sangrentos e internet com todo acesso à pornografia.

Apesar disso, ainda há esperança! Cristãos têm levado o evangelho também nos cárceres e pátios de presídios e o comportamento de alguns de fato transformou-se e para melhor! Muitos presos com delitos leves acabam obtendo liberdade pelo bom comportamento. Existem casos de ‘sociopatas’ converterem-se ao evangelho de Cristo e darem testemunho de suas vidas, apesar de continuarem ainda em detenção máxima. Mas, se uma vida apenas é ganha para Deus, o fruto do ministério para resgatar almas já se fez presente e válido. As pessoas precisam entender que não importa se um determinado preso aqui ou em qualquer parte do mundo recebeu uma pena máxima ou de morte. O que importa é se ele obteve sua salvação por reconhecer a Cristo como único Senhor e Salvador de sua vida. A verdadeira liberdade é seguir a Jesus Cristo como Mestre.

Quando a ciência impõe limites, Deus apresenta a solução!

Feliz é a nação cujo Deus é o Senhor! Deus abençoe!

Comentário de uma leitora a este artigo da Revista Época: Ana Beatriz Barbosa Silva – “Psicopatas não sentem compaixão”:

“A sociedade brasileira está, nitidamente, sendo bombardeada por conceitos e pré-conceitos divulgados pela mídia, extremamente sensacionalista, manipuladora em massa e formadora de opiniões que são desejáveis para uma parcela menor da sociedade. E não é diferente quando se trata de um assunto que abrange acontecimentos que causam repúdio à sociedade, como os numerosos homicídios populares, em que o acusado teve o "privilégio" de ser rotulado como "psicopata" por um psiquiatra ou outro. Enquanto houver gente que se diz profissional colaborando para a visão de que os seres humanos podem ser reduzidos a títulos e a parágrafos de defeitos, a nossa sociedade está longe de ser reconhecida por ter Direitos Humanos de exemplo e por ter um tratamento ideal àqueles que infelizmente portam condições mentais de sofrimento e muitas vezes representam risco para si mesmos e para os outros. O livro "Mentes perigosas", para mim, é mais um exemplo de obra sensacionalista que se encaixa perfeitamente aos olhos de quem facilmente se manipula pelos grandes meios de comunicação. Acho que a Dr. Ana Beatriz precisa rever um pouco de sua história profissional e precisa se questionar algumas vezes antes de se utilizar de nomes, rótulos, palavras fortíssimas para se referir a seres humanos que também estão em sofrimento psíquico e precisam de muito mais do que páginas que os finalizem em alguns defeitos, imutáveis e repugnantes, que podem estar "ao lado, sem que percebamos".



Postar um comentário

15/11/2012

Banco HSBC: Tráfico de drogas e lavangem de dinheiro

0 comentários

HSBC tráfico de drogas - Priscila e Maxwell Palheta

“A maçonaria, uma entidade religiosa e que diz não tolerar a injustiça, depois de todos esses fatos excluirá este senhor Douglas Flint do seu quadro de irmãos, tal qual fez com Arruda, aqui no Brasil? Duvido muito.”

 

Traficantes de drogas e armas, entre os clientes do HSBC em Jersey

Para você, o que significa esta chamada? Para alguns leitores, não chega a ser nenhuma novidade, mas para muitos transparece novidade em forma mística.

Os grandes bancos sempre se dedicaram em lavar o dinheiro do tráfico de drogas, pois este é o negócio mais rentável do mundo.

O Ministério da Fazenda e Alfândega (HMR) abriu um processo investigativo dos cidadãos britânicos na Ilha de Jersey, que possuem conta no banco HSBC, esta Ilha é famosa por proporcionar baixos impostos.

Conforme noticiado pelo periódigo britânico, Daily Telegraph, a investigação começou após uma denúncia anônima que forneceu detalhes sobre clientes do Reino Unido com contas na ilha e no exterior.

Ao todo se somam 4.388 pessoas investigadas – dentre estes algumas famosas – que mandaram £ 699.000.000 para fora do país e bilhões de libras em planos de investimentos.

 

HSBC tráfico de drogas 3 - Priscila e Maxwell Palheta

 

Segundo o jornal, a lista de clientes em Jersey inclui Daniel Bayes, um famoso traficante de drogas e ex-presidiário, que hoje vive livremente na Venezuela, assim como Michael Lee, preso por posse de centenas de armas ilegais. Na lista existem três banqueiros acusados de fraudes milionárias.

O HSBC tem a obrigação legal de informar, em caso de dúvidas, sobre a origem dos fundos depositados nas contas.

A empresa de londrina aumentou para US$ 1.5 milhão a provisão das sanções que podería ter que pagar aos EUA por lavagem de dinheiro.

Jersey, é a maior ilha do Canal da Mancha, é uma democracia parlamentarista, possui o seu próprio poder jurídico e financeiro. Com o status de paraíso fiscal, cada vez mais irrita os britânicos, afetados pela recessão e por um déficit público significativo.

Traduzido do site: DanielEstulin.com

 

dougasl flint hsbc - Priscila e Maxwell Palheta

 

Apenas para efeito informativo; o presidente do banco HSBC, Sr. Daniel Jardine Flint é membro da MAÇONARIA e participante ativo do Grupo Bilderberg. Confira a lista de participantes deste ano, em Chantilly, na Virginia, Estados Unidos, no dia 03 de Junho.

A maçonaria, uma entidade religiosa e que diz não tolerar a injustiça, depois de todos esses fatos excluirá este senhor Douglas Flint do seu quadro de irmãos, tal qual fez com Arruda (Arruda – Sem partido e longe da MAÇONARIA), aqui no Brasil? Aliás, como um cão obediente, quem acredita que ele foi realmente excluído da maçonaria? Duvido muito.

A maçonaria se farta enchendo seus cofres com dinheiro de procedência duvidosa. Foi, é e sempre será assim.

 

Veja outros escândalos envolvendo este cartel:

HSBC lavou dinheiro de cartéis de droga do México
HSBC é investigado por lavar dinheiro de drogas
Executivo do HSBC renuncia por escândalo de lavagem de dinheiro nos EUA - Segundo documento emitido pelo Senado americano, dinheiro envolvido no esquema viria do tráfico de drogas



Postar um comentário

14/11/2012

A maçonaria e a Proclamação da República – Nasce uma República morta!

0 comentários

navio negreiro maçonaria - Priscila e Maxwell Palheta

“O mundo segue o seu curso normal. O que traslada são os marionetes, os fantoches, os mascarados. Pelas veias desses sanguinários corre um demônio, um tipo de espírito que não sai nem com oração nem reza brava, dou-lhe o nome de corrupção.”  (Maxwell Palheta)

A Proclamação da República segundo lhe contaram

É inegável afirmar que em todos os eventos históricos brasileiros se teve a presença ‘notável’ da maçonaria. E todos foram tramados e concretizados dentro das Lojas maçônicas. Assim, não poderia deixar de ser com a Proclamação da República.

Estiveram na frente deste empreendimento os maçons: Marechal Deodoro da Fonseca, Benjamin Constant, Ruy Barbosa, Campos Salles, Quintino Bocayuva, Prudente de Morais, Silva Jardim e outros mais.

As lojas: Vigilância e Fé, de São Borja – RS, Loja Independência e Regeneração III, ambas de Campinas – SP, aprovaram um manifesto contrário ao advento do Terceiro Reinado e enviaram a todas as Lojas Maçônicas do Brasil, para que tomassem conhecimento e que apoiassem esta causa. Mais uma vez a Maçonaria estava à frente para liderar um Movimento ‘Democrático’.

Em 10 de novembro de 1889, em uma reunião na casa do Maçom Benjamin Constant, onde compareceram os Maçons Francisco Glicério e Campos Salles - que decidiram pela queda do Império - , Benjamin Constant foi incumbido de persuadir Marechal Deodoro da Fonseca, já que este era muito afeiçoado ao Imperador. Por fim, Deodoro assumiu o comando do movimento e Proclamou a 15 de Novembro de 1889, a República no Brasil.

Até aí os livros de história espalhados pelas gráficas editoriais da maçonaria te contam. Agora, o que você talvez não soubesse é que...

 

república semíramis - Priscila e Maxwell Palheta

Deusa Semíramis como símbolo da República

Começa a nossa verdadeira escravidão!

A dívida externa que furiosamente os Ministérios da Fazenda e da Economia, juntamente com as mídias nos empurram goela abaixo, lá por volta do século XIX, surgiu como empréstimos que se tornariam impagáveis através de gestos dantescos de nossos governantes junto aos banqueiros ingleses. Os elitistas maçons nadavam em toda a dinheirama, mais ricos e abastados enquanto que o povo continuava à míngua. Então, amigos, essa tal dívida externa que tanto falam, foi contraída há mais de dois séculos. Vamos falar mais sobre isso à frente.

Como todos os maçons arquitetavam muito bem seus planos e precisavam controlar muito bem os empréstimos que seriam feitos, em 1763, um tal de José Bonifácio de Andrada e Silva, tomou posse para a maçonaria o primeiro ministério brasileiro, o Ministério do Reino e dos Negócios Estrangeiros. José Bonifácio tornava-se então, o homem mais poderoso do Império e a maçonaria mais forte ainda.

Livre da colônia portuguesa, o Brasil estava agora sob o comando imperial da casa bancária judaica Rotschild. A partir daí seríamos também torturados pela metrópole comercial inglesa, isso lá por volta de 1834. Pronto! Estaríamos agora infiltrados no supercapitalismo internacional, tipo esse que não tem pátria e que submete à leis secretas o aniquilamento dos filhos da nação.

Aqui é um capítulo interessante desta aventura rumo à República: os empréstimos. A dolorosa escravidão age por meio de “favores”, dos empréstimos. Esse é o ponto de partida para escravizar um governo e torná-lo devedor por séculos.

Quando esse demônio internacional deseja dizimar uma nação ao estado de escravo, o que ele faz naturalmente não é enviar exércitos: envia banqueiros. Desse modo, o povo peregrinará eternamente pela escravidão. Sucessivos empréstimos agirão como tentáculos nesta trama espinhosa, a fim de manietar a nacionalidade.

Agora surge a farsa: um país depois de entrelaçado nesses esquemas permite o “polvo” (banqueiros sionistas) sugar-lhes todas as riquezas. Como consequências desastrosas, teremos distúrbios em diversos segmentos sociais. Os partidos políticos, que resplandecem em seus semblantes como amigos dos banqueiros, demonstram atitudes das mais canalhas possíveis, para ludibriar o povo, ora com o regionalismo separatista, ora com o acenar novas e maiores liberdades, ora a defender obscuros princípios revolucionários. O povo aplaude e acompanha esses políticos que estendem sobre os banqueiros internacionais a clámide pura de suas intenções patrióticas, sagrando-os amigos da Pátria.

Senhores leitores, nosso país desde sempre está solidificado na corrupção e gerido por maçons que nos comprometeram a essa avassaladora influência de grupos financeiros exploradores dissimulados em mil face. Muitos, disfarçados sob caricaturas simpáticas, porém carregando sempre o mesmo espírito político negro, a fim de encobrir as rapacidades que destroem a vitalidade nacional, comprometendo assim todas as gerações deste Estado.

Liberdade de Estado é algo impossível, pelo menos neste século, pois as forças paralelas (maçonaria) já se amontoam sobre nossa Bandeira; como impor a autoridade do nosso símbolo maior? Penso ser um pouco tarde demais para isso. Esse câncer capitalista vem adoecendo o mundo desde longa data. Observem a elucidação de Martin Lutero, em 1545, despertando o povo, quanto ao florescer do capitalismo:

“Eles (os banqueiros e capitalistas) têm todas as mercadorias nas mãos e fazem com elas o que bem entendem, sem receio de elevar ou abaixar preços conforme sua conveniência, oprimindo e destruindo os pequenos comerciantes, do mesmo modo que o peixe maior devora os peixinhos dentro d'água. Parece que foram instituídos senhores de todas as criaturas de Deus e libertados de todas as leis da fé e do amor... Somente se contentarão quando tiverem sugado o mundo inteiro e todo o ouro do universo lhes encher a pança... Todos estão expostos ao perigo e à ruína, ganha este ano, perde no seguinte, menos eles, os capitalistas, que ganham sempre, eternamente, ou reparam as perdas com novos lucros. Não é de admirar, pois, que tomem conta do mundo.”

Certamente que entreguemo-nos a este demônio desde o primeiro empréstimo que fizeram logo após a proclamação da independência, junto ao banqueiro Nathan Mayer Rotschild e que nos levou para sempre a independência. Ao raiar desta nova nação, estávamos ligados por um cordão umbilical ao capitalismo sem pátria.

Em 1922, escrevendo sobre o centenário de nossos empréstimos, o Sr. Jacob Cavalcanti disse:

“o mau estado das finanças do Brasil-Colônia, nos dias próximos à sua independência, retratava a desordem financeira da metrópole; de sorte que o Brasil, tornado independente, entrava logo no regime dos déficits orçamentários e caminhava a passos largos para a subordinação ao crédito estrangeiro”.

Tornava-se independente para ficar subordinado...

Sim, os maçons brasileiros e que se dizem patrióticos, estes retratados nos belos quadros expostos pelos museus, estes divulgados incessantemente nas escolas, nos enterraram numa dívida que jamais nos livraremos dela: Guarde esta data – 12 de janeiro de 1825. Foi exatamente neste dia que os banqueiros puseram seus pés sobre nossos ossos para nos esmigalhar, pertencemos a eles desde então e como escravos os servimos.

Senhoras e senhores, a palavra tem o poder de embriagar as massas. Divertem-nos com histórias mal contadas como se verdadeiras fossem. Naqueles dias, há mais de duzentos anos, a maçonaria brasileira, os políticos e os governantes unidos aos exploradores maçons banqueiros ingleses brindavam e festejavam a doce ganância.

É passado o tempo de contarem toda verdade a esta nação. Ela existe, mas está guardada a sete chaves, em documentos oficiais. Para sempre a boca mentirosa e covarde dos políticos estará muda? Onde estão os homens de coragem para pregar a verdadeira liberdade, a verdade que espatife os ídolos e os bezerros de ouro?

A doce mentira desvairada para iludir os tolos através da leitura dos jornais é propagada incansavelmente. Porém, a verdade é muito cruel: essa propaganda, obstinada e esperta, escondeu tão somente o trabalho forçado de gerações e gerações de brasileiros.

A maçonaria possui muita habilidade. Apertam-se as mãos e coroam-se com títulos e honrarias os homens que procedem impiedosamente, enquanto se lança na prisão o ladrão que furtou um pote de margarina para matar a fome dos filhos.

O argentário sem compaixão lucra, através da desgraça e sofrimento alheio, dos países que se digladiam, do sangue jorrado em campo de batalha das viúvas e órfãos sem pão, das economias de nações inteiras surrupiadas por vorazes bolsas de valores! Neste belíssimo planeta, muitos passaram por aflições, outros estão passando e muitos irão passar. O mundo foi, é e será testemunha dessa triste realidade.

Paz? Pra que paz? A paz não gera lucro, não fazem ricos. Então não lhes interessa! A sociedade está perturbada, ela saiu do seu rumo. Perdeu o sentido! As sociedades quando não são vitimizadas pelas economias vorazes, são violentadas pelas indulgências religiosas. “Ou dá ou desse!” Já dizia um famoso poeta maçom. Eles se unem como se cartéis fossem, traficando e ceifando vidas, destruído nações inteiras, comprometendo assim toda a nossa posteridade. Duvida? Leia um pouco mais sobre a história da humanidade e comprove você mesmo.

O mundo segue o seu curso normal. O que traslada são os marionetes, os fantoches, os mascarados. Pelas veias desses sanguinários corre um demônio, um tipo de espírito que não sai nem com oração nem reza brava, dou-lhe o nome de corrupção.

“Possa a dolorosa recordação destes fatos gravar-se profundamente na memória dos administradores brasileiros, como legenda monumental de graves erros, e de lamentáveis desperdícios na gestão das finanças do Estado”. (Candido de Oliveira – “Sistema financial do Brasil”.)

A maçonaria e os deuses Moloch e Mamom

15 de Setembro de 1889 - Nasce uma República morta

O endividameto através dos empréstimos

Proclamada a República, a história brasileira toma novos rumos. A velocidade adquirida com os empréstimos da monarquia se acelerou ao sopro dos desperdícios republicanos e rolamos mais depressa para o abismo...

O primeiro empréstimo do novo regime foi feito com Rotschild, em 1893, para a Estrada de Ferro Oeste de Minas, garantido pelo Governo: £ 2.968.000 – de capital real reduzidas a £ 2.374.000 pelo tipo 80. O capital nominal elevava a divida a £ 3.710.000. Calculando os juros de 5% ao prazo de 30 anos, segundo o contrato, veremos que as £ 2.374.000 nos custarão £ 9.275.000!!

Na assinatura dos instrumentos necessários, a companhia aludida foi representada pelo barão do Rosário e o governo brasileiro pelo seu plenipotenciário conselheiro João A. de Souza Corrêa. Em 1895, a 17 de julho, sendo ministro da Fazenda o conselheiro Rodrigues Alves, pegou o segundo empréstimo com Rotschild: £ 6.000.000 reais por £ 7.442.000 nominais, reduzidas de 15%, em virtude do tipo 85, portanto £ 5.100.000, das quais os banqueiros retiraram ainda £ 2.000.000 para resgate da divida flutuante do Governo Brasileiro com eles próprios; juros de 5 % e prazo de 30 anos. Custar-nos-á a brincadeira £ 18.605.000!

Não era possível aguentar o peso esmagador do serviço de juros, sobretudo, depois das perturbações políticas, sociais e militares do início da era republicana. Em 1898, o Governo Campos Sales e Rotschild fizeram o 1.° funding-loan, isto é, o primeiro empréstimo de consolidação, garantido pela renda das alfândegas, coitadas! Emitiram-se bônus no valor de £ 8.613.717 a juros de 5 % e prazo de 63 anos. Até 1961! Verdadeira hipoteca do futuro!

Esses títulos representam os juros acumulados que passam a constituir nova dívida, rendendo novos juros. Em 31 de dezembro de 1930, logo após a queda do Governo Washington Luis, ainda havia em circulação bônus no valor de £ 6.872.60044.

Será curioso ver o custo total em 1961; £ 27.283:208!!

A situação econômico-financeira que se antolhava ao país na época do funding era na verdade lastimável. O ministro da Fazenda do governo de Prudente de Morais, pintara-a já com cores carregadas: “De 1888 a 1894 transpusera o Brasil períodos assinalados pelas maiores agitações quais as provenientes da abolição do elemento servil e da proclamação da Republica, que abriram uma fase de graves perturbações políticas, frequentes revoltas e constantes alterações da ordem... Além disto, a megalomania, as grandes operações aleatórias visando fáceis riquezas, as maravilhas do jogo da bolsa e dos capitais fictícios, que haviam animado nervosamente os últimos tempos do Império, não se contiveram pelo advento das novas instituições, porque se ampliaram as temerosas aventuras; e sob a ilusão do deslumbramento da criação de uma surpreendente sociedade nova, opulentada rapidamente, por golpes repetidos de emissões de papel-moeda... A moeda fiduciária, copiosamente lançada, desvalorizou-se... Desde logo, delineou-se o seguinte quadro: a desvalorização do papel-inconvertível, causada pelas emissões sucessivas e pelos profundos e contínuos abalos sociais por um lado; por outro, as novas perturbações, os motins e desordens reiterados, as conspirações, as ameaças de intervenções dos quartéis e fortalezas, à oposição prenhe de paixões, esgrimindo todas as armas da imprensa e da tribuna, tanto parlamentar como popular... Todos esses fatores conjugados traziam como principal resultado o descrédito do país e sobretudo a desconfiança dos capitais e a germinação de um verdadeiro pavor entre os credores estrangeiros... Tínhamos o déficit acrescido anualmente e que chegara ao governo de Prudente representado no assustador algarismo de mais de cem mil contos; os outros erros descritos abriram novo abismo; a verba de diferenças de câmbio, ascendendo também a mais de cem mil contos anualmente. Eram duas voragens insaciáveis, nas quais fatalmente se submergia a maior parte da renda do País”.

Abyssus abyssum vocat!

De voragem em voragem, nós nos viemos despenhando assim, desde a independência, e, lá no fundo do Maelstrom, as fauces dos banqueiros internacionais devorarão tudo quanto entreguemos ao abismo insondável feito de abismos... Suor, sangue, lágrimas! Suor do trabalho e das angústias, cheirando a doença e pobreza. Sangue das guerras fratricidas e dos crimes políticos, fervendo de ódios ou de heroísmos. Lágrimas de criancinhas, de mulheres e de velhos, lágrimas de órfãos, de viúvas, de desvalidos. E tudo é pouco! Nada satisfaz o Moloch insaciável acocorado nas sombras e manobrando os inúmeros cordões dos seus títeres...

O contrato do funding foi assinado em Londres no dia 15 de junho de 1898 pelos banqueiros N. M. Rotschild & Sons e o conselheiro José Antonio de Azevedo e Castro. Delegado do Tesouro. Os títulos do “United States of Brazil 5 % Funding Bonds” compreenderam os seguintes empréstimos: de 4%, de 1889; de 4 ½%, interno de 1879, ouro, de 1883 e de 1888; de 5 %, de 1893 (Oeste de Minas) e de 1895. Além disso, as garantias de juros às companhias: The Alagoas Railway Co., The Great Western of Brazil Railway Co., The Conde d'Eu Railway Co., The Central Bahia Railway Co., The Brazil Great Southern Railway Co., The Bahia and S. Francisco Railway Co., Mogiana, The Minas and Rio Railway, The Natal and Nova Cruz Railway Co., Compagnie Genérale de Chemins de Fer Brésiliens, Compagnie des Chemins de Fer du Sud-Ouest Brésilien, The Recife and S. Francisco e Chemin de Fer S. Paulo-Rio Grande.

Pelo funding, ficou o Governo Brasileiro obrigado a retirar da circulação do país, à proporção que se emitiam os títulos do novo empréstimo, uma soma equivalente em papel moeda, ao cambio de 18 d., afim de ser incinerada. Muitos acharam que essa cláusula até então desconhecida nos empréstimos brasileiros era de grande alcance financeiro. Outros, porém, a criticaram. O ministro Joaquim Murtinho justificou-a, bem como a criação do chamado fundo de garantia. Os que o censuraram acharam que a nova política financeira era verdadeira humilhação imposta ao país pelos credores estrangeiros. Entretanto, ninguém viu o que, de fato, representava a retirada do papel-moeda da circulação, a qual chegou, no período de 1899 a 1901, à soma de cem mil contos. Todos se preocupam, com a chamada inflação, com as baixas do cambio, com as humilhações impostas ao país; e ninguém com o que é de verdade importante: o prejuízo que a falta de numerário causa à circulação das riquezas, sangue de um país. E vão fazendo o jogo judaico, que é retirar dinheiro da circulação, suprimir de qualquer forma o numerário dos Estados; a fim de restringir os capitais e seus possuidores, e forçar a procura desses capitais nas poucas mãos que os acumulam...

Em 1901, outra modalidade de empréstimo, o de Rescisão, destinado a encampar estradas de ferro com garantias de juros. A casa Rotschild contratou-o por 61 anos isto é, até 1962, com os juros de 4 %. A mesma casa vendia os títulos do funding de 1898 e comprava os de Rescisão, ganhando as comissões respectivas. Em 1922, quando se comemorou a independência, o saldo dessa operação contra nós era de £ 11.296.100 e em 1930 de £ 9.773.440.

No ano de 1962, seu custo será de £ 29.280.000!

Os “Rescission Bonds” foram autorizados pela lei n.° 746 de 29 de dezembro de 1900. Na assinatura do respectivo contrato, representou o Brasil o conselheiro José Antonio de Azevedo e Castro.

A 18 de maio de 1903, novo empréstimo com Rotschild para as obras do porto do Rio de Janeiro: £ 8.500.000 a tipo 90 e juros de 5 % pelo prazo de 30 anos, o que equivale a receber £ 7.650.000 e pagar £ 21.250.000!

Para o Lloyd Brasileiro se contratou a 4 de abril de 1906 um empréstimo de £ 1.100.000, ao par, juros de 5 % e prazo de 21 anos.

Dezoito anos depois, em 1922, ainda se deviam £ 210.500 do capital. Em 21 anos, esse milhão de libras rendeu a bagatela de £ 1.155.000.

Cansamo-nos de negócios com Rotschild. Em 1909 recorremos ao judeu francês. Lançou-se em Paris o empréstimo da Estrada de Ferro Noroeste, de Frs. 100.000.000 a juros de 5%, autorizado pelo decreto n.° 6.944 de 7 de maio de 1908. As ações foram emitidas pelo Banco de Paris e dos Países-Baixos46, e pela Societé Genérale. Nós gostamos tanto da França!... Em 1930, devíamos ainda Frs. 96.811.000, o que significa que, em vinte e um anos, tendo amortizado somente pouco mais de Fr. 3.000.000, devíamos quase todo o capital, embora tivéssemos pago Frs. 105.000.000 de juros! No fim de 50 anos, custará Frs, 350.000.000!

No mesmo ano, para o porto de Recife, contratado por Edmond Bartissol e Demetrio Nunes Ribeiro, levantamos em França Frs. 40.000:000 ao, prazo de 50 anos e juros de 5%, de acordo com o, que autorizava o decreto n.° 7.207 de 3 de dezembro de 1908. Em 1930, devíamos ainda Frs. 39.180.568 e pagáramos de juros Frs. 42.000.000. O total do custo elevar-se-á em 1950 a Frs. 140.000.000!

Aos empréstimos de Consolidação e de Rescisão, junte-se o de Conversão em 1910: £ 10.000.000, de tipo 87 ½, juros de 4 % e prazo de 57 anos, para resgatar os títulos do empréstimo da Oeste de Minas e do da Valorização do Café47. Por £ 8.750.000 recebidos, temos pagado um total de £ 8.000.000 até 1930, quando ainda devíamos £ 9.394.000 de capital. Este renderá em 57 anos, até 1967, £ 22.800.000 e, custará um montante de 32.800.000!

O empréstimo de Valorização do Café fora medida decorrente do Convênio de Taubaté entre Minas, S: Paulo e o Estado do Rio, ratificado peta lei n.° 1.489 de 6 de agosto de 1906. Constou de £ 3.000.000, a tipo 95, juros de 5 % e pelo prazo de 17 anos, tendo sido contratado com Rotschild a 3 de outubro de 1937. O empréstimo de Conversão de 1910, como já se viu, resgatou-o.

No referido ano, pediu-se na Europa segunda vez dinheiro para o Lloyd Brasileiro: £ 1.000:000 a 5% de taxa. Em 1930, devíamos ainda £ 428.800, tendo pagado £ 1.000.000 redondo, de juros.

Em verdade, o Brasil tem sido e continua a ser a galinha dos ovos de ouro do argentarismo internacional. Há um certo cuidado, pois, em não matá-la e dar-lhe, ás vezes, um pouco de fôlego e milho, afim de que se não acabe a maravilhosa postura...

Para a Estrada de Ferro de Goiás, que se não construiu (Pobre Goiás!), creio, os banqueiros franceses nos deram, em 1910, ano fértil em proveitosas negociatas et pour cause, a batelada de Frs. 100.000.000 a prazo de meio século, 1960, e juros de 4 %. A imprensa do governo elogiou a habilidade dos nossos financistas. O contrato foi aprovado pelo decreto n.°. 7.562 de 30 de setembro de 1909. Pelo decreto n.° 12.183 de 30 de agosto de 1916, o Governo Federal assumiu a responsabilidade da dívida hipotecária dessa Estrada: Frs. 25.000.000. Em 1930, quando os revolucionários triunfantes entraram na capital da República, devíamos Frs: 95.677.980 de capital e havíamos pago Fr. 80.000.000 de juros. No fim das contas, em cinquenta, anos, os juros se elevarão a Frs. 200.000.000 e o pagamento total a Frs. 300.000.000.

A França-judaica nos desanimou e voltamos cabisbaixos, de chapéu na mão, aos antigos senhores Rotschild, pedindo desculpas. Não; eles não estavam zangados e nos concederam, para a conclusão das obras do porto do Rio de Janeiro, em 1911, £ 4.500.000 em tipo 92, juros de 4 % e 71 prazo de 16 anos, generosamente. O caso resume-se em receber £ 3.680.000 e pagar sem bufar £ 7.380.000.

Essa operação foi autorizada pelo decreto n.° 8.621 de 23 de março de 1911 e contratada pelo delegado interino do Tesouro em Londres, Julio Cesar Moreira da Costa Lima.

Não se devia findar o ano sem outra operação de crédito: O Império chegou a fazer uma de ano em ano. A República resolveu bater o recorde e fez muitas por ano. Em novembro, realizaram para a Rede de Viação Cearense: £ 2.400.000 a 4%. Por 20 anos, salvo engano. Os intermediários do empréstimo, não se sabe bem se os de lá ou os de cá, porque essas cousas sâo sempre admiravelmente confusas, depositaram metade da quantia, £ 1.200.000, não sei por que cargas de água, no The Russian Commercial and Industrial Bank of London, que tinha este pomposo nome, mas não passava duma arapuca de judeus russos. O banco levou a breca e lá se foram com ele as nossas libras. Desta sorte, as restantes nos custarão £ 4.320.000.

Um dos nossos técnicos financeiros declara que esse empréstimo “ficará assinalado na história financeira do Brasil como a operação mais desastrada que já foi realizada”. É sobremaneira curioso e edificante acompanhar-se o desenvolver da maroteira com todos os seus truques, maroteira que surripiou uma grande soma à economia nacional.

No decreto n.° 9.168 de 30 de novembro de 1911, que autorizava a realização do empréstimo, se dispunha, em vista de estar sendo a Rede de Viação Cearense construída pela South American Railway Construction Company Limited, que, para os devidos pagamentos, metade da soma seria depositada em um banco de Londres ou Paris, designado pelo ministro da Fazenda de acordo com a Companhia. A cláusula trazia água no bico, tanto assim que se não escolheu, para o depósito em questão, a casa Rotschild ou um grande estabelecimento bancário duma das duas capitais. “A designação, porém, - afirma um alto funcionário do Tesouro - recaiu no The Russian Commercial and Industrial Bank, de Londres, CUJA OBSCURIDADE ESTAVA NA RAZÃO DIRETA DA EXTENSÃO DO SEU NOME.” O ministro da Fazenda de então, sr. Francisco Antonio de Sales, concordou com a magnífica escolha.

Ultimada a operação de crédito, fez-se o depósito no tal banco, “cuja existência era quase ignorada mesmo na praça de Londres”. Quatro anos depois, em 1915, um grupo de homens de negócios ou de negocistas promovia em Londres a falência da South American Railway Construction Company Limited, de nome tão comprido como o do banco e de moralidade tão curta quanto a dele. Os requerentes dessa falência pediam mais à justiça que fosse retido o depósito feito pelo Governo Brasileiro no, The Russian Banlc. O ministro da Fazenda tomou providências, comunicou-se com os nossos agentes, os srs. Rotschild, e nada conseguiu. Estes, na opinião do sr. Jacob Cavalcanti, empenharam-se em defender os interesses do Brasil. Em certas ocasiões, é muito fácil fingir empenho. Constituiu-se advogado para o feito e o ministro da Fazenda ordenou ao tal banco russo que transferisse os fundos para a casa Rotschild, em vista da rescisão do contrato de construção entre o Governo e a South American.

Tudo foi inútil. O Brasil não pôde intervir no litígio entre os negocistas e a South American. O nosso dinheiro continuou nas caixas do Banco Desconhecido. Enfim, veio a guerra e, depois da guerra, a revolução comunista russa. O banco levou o diabo e as nossas louras esterlinas também. Talvez vamos encontrá-las no vale de Josafá, ao toque da trombeta do Juízo Final.

Armaram-nos uma grande trapalhada e fomos no embrulho...

O serviço de pagamentos dos juros e comissões do empréstimo da Rede de Viação Cearense passou a ser executado pelo Lloyd Bank.

Os nossos déficits continuam de vento em popa...

Ainda em 1911, com a autorização constante do decreto n.° 8794 de 21 de junho; tentamos a sorte na França, tomando Frs. 60.000.000 a juros de 4 % e prazo de 56 anos, para a Rede Viação Baiana. Devíamos em 1930 Frs. 58.697.472 de capital, havendo pago Frs.. 69.600.000 de juros. O custo total da operação se elevará em 1967 a Frs. 194.400.000!

Rotschild entra em cena em 1913 com outro empréstimo, autorizado pelo decreto.n.° 10.197, de 29 de abril de 1913 e assinado a 5 de maio. O câmbio sobe. A imprensa oficial elogia o ministro da Fazenda. O povo alegra-se. £ 11.000.000, tipo 97, taxa de 5% e prazo de 40 anos. Se algum pessimista se arrepia, respondem-lhe que o Brasil é um país de grande porvir, de imensas possibilidades, devendo sacar sobre o futuro. Certos politicões fartos sorriem como quem diz: “Depois de mim, o dilúvio!” Luizes XV de fancaria!

Fizera-se a operação para construir ferrovias e portos; porém, na sombra, se adensam os déficits da faustosa e inútil Exposição Nacional de 1908, com que os entusiasmos do Jardim da Infância haviam festejado o primeiro centenário da Abertura dos Portos, que, em 1818, Henry Koster vira com outros olhos, os dum observador estranho: o Brasil passando de colônia portuguesa a colônia inglesa... Em 1909, David Campista alarmara-se com eles. Não se construíram nem caminhos de ferro nem docas. Pagaram-se com o ouro apanhado aos prestamistas os gastos daquele luxo de pobre enfeitado.

Embolsamos £ 10.670.000, que pagaremos, se possível, em 1943, com £ 33.000.000.

O resultado natural tinha de ser, com tal política financeira, por não chegarem as rendas do Estado para suas despesas e o serviço da divida, novo funding loan. Além disso, o nome é inglês, pouco conhecido, tentador para se deitar sabença na tribuna do Congresso, na tal Comissão de Finanças, ou nas entrevistas de vespertinos e matutinos puxadas a retrato. Foi feito com Rotschild, leit motif da nossa Opera financeira, trágica e bufa ao mesmo tempo, em 1914, ao carregar dos canhões para a Grande Guerra, da qual nasceria um mundo novo, com doutrinas geradas na lama e na podridão, mas com outras iluminadas pelas aureolas da dor e do sacrifício.

Desencadeia-se aguda crise financeira de 1913 para 1914. Rivadavia Corrêa mostrava-se apreensivo ante a situação do erário. Só se via um remédio: recorrer aos prestamistas judeus.

Novo empréstimo de consolidação: £ 15.000.000 de que não sentimos nem o cheiro, pois representavam os juros vencidos dos empréstimos de 1883, 1888, 1889, 1895, 1908, 1910, 1911 e 1913, dos títulos de dívida do Lloyd Brasileiro, da Viação Cearense, dos empréstimos franceses de 1908, 1909, 1910 e 1911, e dos bônus do empréstimo de Rescisão (Rescision bonds). Os Rotschilds entraram, então, diretamente e claramente, nas operações feitas em França.

Nada mais, nada menos do que o que Joaquim Murtinho definia em 1898: “...pagamento duma divida com os recursos de outra dívida contraída para esse fim.” E o financista acrescentava que os empréstimos externos do regime republicano haviam sido quase completamente absorvidos no pagamento de juros de outros empréstimos!!

O contrato desse novo funding foi calçado nos termos de 1898. Como garantias, mais uma vez as rendas alfandegárias. Suspenderam-se todas as amortizações de empréstimos e o Governo soberano do Brasil ficou proibido de garantir ou lançar qualquer operação de crédito interna com juros pagáveis na Europa até 1917. Soberania limitada! E dizer que não são os banqueiros internacionais que governam nossa pátria!...

Compreenderam-se na Consolidação os seguintes empréstimos: de 4 %, de 1889, 1910, 1911, 1901 e Lloyd; de 4½%, de 1883, 1888; de 5 %, de 1895, 1908, 1913, 1908 - 1909, 1909 e títulos do Lloyd.

Figura no contrato, assinado pelo dr. Joaquim Inacio Tosta, uma cláusula que o sr. Jacob Cavalcanti considera onerosíssima e que o Governo Brasileiro não quis cumprir, a do resgate dos títulos do empréstimo de Rescisão pela emissão e venda de títulos do novo funding, sujeitos no mercado às oscilações da oferta e da procura. Uma mina de 76 negociatas frutuosas à custa do nosso pobre povo. A casa Rotschild constantemente reclamou o cumprimento desse dispositivo e venceu enfim, pois, no ano de 1919, o sr. João Ribeiro, ministro da Fazenda, lhe deu ganho de causa. Esse ato - diz, apesar do seu “onerosíssimo”, o citado sr. Jacob Cavalcanti, - “foi muito bem recebido nos círculos financeiros da City e repercutiu favoravelmente na cotação dos nossos títulos.” Pudera!... A 5 de junho de 1919, Rotschild passava um telegrama de agradecimentos cordiais ao ministro João Ribeiro, que se babou de prazer. Quanta honra! A imprensa publicou-o com os ditirambos da praxe...

 

Bibliografia:

. Sites maçônicos

. Gustavo Dodt Barroso – A história Secreta do Brasil

. Gustavo Dodt Barroso – Brasil, Colônia de Banqueiros

Faça-se saber:

“Ousei rasgar o espesso e misterioso véu que cobria o Tesouro, persuadido de que a desconsolação pública e a extinção do patriotismo andam a par da miséria pública; deque a ruína dos Estados, a queda dos Impérios são consequências das desordens das finanças”. (Relatório do Ministro da Fazenda, Manuel Jacinto Nogueira da Gama, Visconde de Baependi, em 1823).

Temos que ter em mente que: Tudo o que a maçonaria faz ou promove é exclusivamente para benefício próprio e nunca para atender os interesses alheios. Onde nós os cidadãos comuns, nos tornamos mais e mais escravizados pelo sistema imposto por eles, onde o comandante é o deus GADU.

Como benefício próprio, podemos citar: Enriquecimento ilícito (pouquíssimas vezes lícito), pois o poder do dinheiro lhe dá o domínio sobre os menos favorecidos e concede benefício imérito aos poderosos e ricos.

"O poder tende a corromper - e o poder absoluto corrompe absolutamente." Lord Acton.

Assim aconteceu em todos os fatos históricos no Brasil e não foi diferente na Proclamação da República. Os maçons, detentores do poder na sociedade, escravizava, submetendo negros e índios à todo tipo de tortura, castigo e humilhação, sem motivo algum, apenas movidos pela ganância que pairava em seus corações.

E neste evento histórico (ou em qualquer outro) jamais a Pátria amada foi beneficiada, e seus filhos vivendo da miséria, dor e sofrimento, enquanto o topo da “pirâmide” se banqueteava do ouro, das pedras preciosas, Pau-Brasil, Cana de açúcar, cacau, café, etc.

Qualquer semelhança com os dias atuais, não é mera coincidência.

*Este é apenas um curto trecho de um vasto arquivo em nossas mãos. Ao longo do tempo, postaremos aqui neste blog, se assim fizer necessário.



Postar um comentário

13/11/2012

Jesus Cristo é o Senhor ? Porque o bispo Macedo nega o nome de Cristo?

0 comentários

jesus cristo é o senhor - Priscila e Maxwell Palheta

Antes de ler o texto assista um comentário em video, onde critico o fato de nas programações – rádio e televisão – da IURD não se falar o nome de Jesus Cristo.

 

 

A cada dia penso que ser pastor, pelo menos nessas “igrejas” neopentecostais, virou profissionalismo. Chamado pastoral? Não tenho e nem vejo motivos para afirmar que muitos ali o possuem porque tudo que comprrendo como regra de fé está baseado na Bíblia, diferentemente do que tenho observado.

Durante quase dois anos, acompanhei pela rádio e televisão as programações da Igreja Universal do Reino. Simplesmente eles não citam o nome de Cristo ou pelo menos omitem o Salvador. Em raríssimos momentos um ou outro o fez. E só.

Se professam uma fé cristã, por que não falam o nome de Jesus? Não o conhecem? Eles sabem que é Jesus, muitos ali já experimentaram a graça soberana de nosso Senhor. Sabem o que Jesus pode fazer na vida de uma pessoa mundana ou seja, libertar, curar, dar a vida eterna.

Eles têm desfrutado das “bênçãos” dentro da “igreja” proveniente do suor alheio. Mas calam-se. Nada falam de Cristo. Deixam os outros morrendo à míngua da mensagem da salvação. Salvação contudo, o quanto ela significa, é só para eles. É um tesouro que guardam avaramente. Gastam horas e mais horas nas rádios e televisões, estão vendo o mundo sofrer e padecer, mas nada fazem. Deus prospera de fato muitas pessoas porque ama e tem um plano com cada uma delas, mas nosso Senhor sabe que o dinheiro corrompe o homem.

Os bispos e pastores desta seita (Igreja Universal do Reino de Deus) estão dominados por uma estranha espécie, mas não rara, de covardia que os fazem permanecer mudos quando deveriam falar o NOME MAIS PODEROSO DO MUNDO. Preferem ignorar a verdadeira mensagem de libertação, com este “evangelho novo”. Preferem desobedecer à ordem de Jesus Cristo, e o pior, a multidão os segue também negando, pois assim estão sendo doutrinados.



Postar um comentário

12/11/2012

O impacto da Maçonaria na Igreja

0 comentários

maçonaria igreja contaminada - Priscila e Maxwell Palheta

Este artigo foi extraído do site: www.portalnovavida.com.br, que traduziu de www.ephesians5-11.org.

 

"E não comuniqueis com as obras infrutuosas das trevas, mas antes condenai-as." [Efésios 5:11]

 

A Natureza Zelosa do Nosso Deus

Nosso Deus é um Deus ciumento; ele detesta a adoração aos deuses falsos. Quando o povo de Israel estava para entrar na terra prometida, recebeu instruções específicas de Deus, que se encontram no livro de Êxodo:

"Guarda o que eu te ordeno hoje; eis que eu lançarei fora diante de ti os amorreus, e os cananeus, e os heteus, e os perizeus, e os heveus e os jebuseus. Guarda-te de fazeres aliança com os moradores da terra aonde hás de entrar; para que não seja por laço no meio de ti. Mas os seus altares derrubareis, e as suas estátuas quebrareis, e os seus bosques cortareis. Porque não te inclinarás diante de outro deus; pois o nome do SENHOR é Zeloso; é um Deus zeloso. Para que não faças alianças com os moradores da terra, e quando eles se prostituírem após os seus deuses, ou sacrificarem aos seus deuses, tu, como convidado deles, comas também dos seus sacrifícios, e tomes mulheres das suas filhas para os teus filhos, e as suas filhas, prostituindo-se com os seus deuses, façam que também teus filhos se prostituam com os seus deuses." [Êxodo 34:11-16].

A penalidade por pregar um falso Evangelho

Os falsos evangelhos não são uma coisa nova; já existiam no primeiro século. Paulo tratou da questão e falou sobre a conseqüência de ensinar um falso evangelho em sua carta aos Gálatas:

"Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho, além do que já vos tenho anunciado, seja anátema. Assim, como também vo-lo digo. Se alguém vos anunciar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema." [Galátas 1:8-9].

Considere a questão da Maçonaria dentro da Igreja de duas perspectivas

Primeiro, vamos assumir que os maçons na Igreja realmente sejam cristãos

Os maçons cristãos fizeram aliança com o povo pagão que adora outro deus, isto é, os hindus, muçulmanos, budistas e todas as outras falsas religiões. Eles se reúnem em volta de um altar estranho, o altar da Maçonaria, e adoram a um deus chamado Grande Arquiteto do Universo (GADU). Se um pagão oferece uma oração na loja ao GADU, está orando ao Deus da Bíblia? É claro que não; está adorando a um demônio. Em 1 Coríntios 10:20, o apóstolo Paulo diz: "Antes digo que as coisas que os gentios sacrificam, as sacrificam aos demônios, e não a Deus. E não quero que sejais participantes com os demônios." A Maçonaria discorda do ensino da Bíblia e afirma que os pagãos estão orando ao mesmo Deus que os cristãos adoram. Somente esse fato demonstra que a Maçonaria não conhece o Deus da Bíblia. Se ela não conhece o Deus da Bíblia, como pode o deus dela, o GADU, ser realmente o Deus da Bíblia? Se o GADU for um demônio, o maçom cristão está se reunindo em torno de um altar estranho para adorar a um deus falso. Ele ficou enlaçado, exatamente como Deus advertiu os israelitas. Nosso artigo A Paternidade de Deus e a Fraternidade dos Homens expõe esse problema.

Continuando com a suposição que os maçons na igreja realmente sejam cristãos, considere o falso plano de salvação que é ensinado no ritual maçônico. Os maçons são levados a acreditar que todos os mestres maçons irão para o céu, incluindo os maçons budistas, hindus e muçulmanos. Os maçons são encorajados a imitar o salvador maçônico, Hirão-Abi, para que possam dar as boas-vindas à morte e serem transportados para o céu. Jesus Cristo não é mencionado no ritual da Loja Azul (os três primeiros graus). Certamente aqueles que conduzem o ritual participam de um grau maior. No entanto, no instante no ritual em que a venda é removida dos olhos do iniciado, todos os presentes batem com os pés no chão e batem as mãos. (Isso é conhecido com o choque da entrada; e surpreende o iniciado.) O maçom cristão está participando na promoção de um falso evangelho. Qual é a questão importante aqui? Importa se o cristão maçom está realmente dependendo da fé em Jesus Cristo para sua própria salvação? Isso salvará a alma do homem que acredita no que aprende no ritual maçônico? Se ele acredita que tem salvação como resultado do evangelho maçônico, é mais ou menos provável que estará aberto a Jesus Cristo em um tempo posterior? Como o testemunho de um maçom cristão é afetado pela sua participação em um ritual que ensina salvação sem Jesus Cristo? O artigo Salvação Sem Jesus expõe o problema.

Segundo, vamos assumir que os maçons na Igreja não sejam cristãos

Neste caso, todos os cristãos na congregação que permitem aos maçons serem membros fizeram uma aliança com o povo pagão da terra. Eles encorajaram os maçons a ingressar na igreja, mas não exigiram que parassem de adorar o GADU, ou de promover o falso plano maçônico da salvação. Nesse segundo caso, os cristãos na igreja estão em pecado porque não permaneceram separados, mas receberam os pagãos. 2 Coríntios 6:11-17 deixa claro que permanecer separado não é apenas uma idéia do Antigo Testamento. Se você olhar em volta, verá que os filhos e filhas dos maçons estão se casando com as filhas e filhos dos cristãos há várias gerações. A igreja torna-se enlaçada, exatamente como Deus advertiu os israelitas que eles seriam enlaçados. Deus exige que permaneçamos separados para sermos seus filhos. [2 Coríntios 6:17-18].

 

Como a presença de maçons na congregação afeta o que é dito do púlpito?

A maioria dos pastores sabe que existem problemas com a Maçonaria; somente uma minoria desconhece os problemas. Muitos desses pastores que estão cientes receiam pregar uma mensagem criticando os ensinos da Maçonaria e evitam o assunto como a lepra. Eles não o discutem em público e, normalmente, não tomam uma posição firme em particular. Se sabem que a Maçonaria é incompatível com o cristianismo, mas refreiam a língua em público e quando estão ocupando o púlpito, podemos ver facilmente que estão contemporizando em seu ministério. Não estão tomando os passos necessários para garantir que outros membros da congregação não sejam enlaçados por meio do casamento com uma família de maçons ou por meio de envolvimento direto na Maçonaria. Se um pastor está ciente da malignidade da Maçonaria e não diz nada aos maçons na congregação, então será responsável diante de Deus, conforme o livro de Ezequiel deixa claro como cristal:

"Mas, se quando o atalaia vir que vem a espada, e não tocar a trombeta, e não for avisado o povo, e a espada vier, e levar uma vida dentre eles, este tal foi levado na sua iniqüidade, porém o seu sangue requererei da mão do atalaia." [Ezequiel 33:6].

 

Por que a maioria dos pastores receia lidar com a questão da Maçonaria a partir do púlpito?

Os pastores não trabalham no vácuo; eles conversam com outros pastores, até mesmo com colegas de outras denominações. Sempre que um pastor toma uma posição contra a Maçonaria, ou ensina claramente aqueles aspectos do evangelho que se opõem aos ensinos maçônicos, termina com uma tremenda batalha em suas mãos. Os testemunhos dos pastores batistas sulistas,Steward Bedillion, Daniel Carlen, Pierce Dodson e Stoney Shaw oferecem exemplos clássicos. Tudo o que um pastor precisa fazer para receber oposição maçônica é pregar a palavra. Em geral, os maçons não suportam ouvir sobre o Evangelho da Graça, que diz que o homem não pode conquistar seu lugar no céu por meio das boas obras. Se os maçons estiverem presentes em uma congregação e as coisas estiverem correndo tranqüilamente, isso depõe contra o pastor. Se ele estivesse pregando a palavra, a tempo e fora de tempo, sem deixar de corrigir, de repreender e de encorajar, estaria ou enfrentando oposição, ou os maçons estariam deixando a igreja. Em geral, poucos maçons se arrependem — embora alguns se arrependam. Não é responsabilidade do pastor obter o arrependimento. A responsabilidade dele é meramente zelar pelas almas e pregar, pois precisará prestar contas a Deus. Se os homens escolherem sair da igreja quando forem ofendidos pela verdade da palavra de Deus, isso não é problema do pastor.

 

Satanás ama a Maçonaria

Veja o que ela faz para ele. Quando a Maçonaria está presente, a igreja está tolerando o ensino de um falso evangelho pelos membros da congregação. Além disso, a Maçonaria enlaça seus participantes na adoração a um falso deus. O acusador dos santos, Satanás, está ganhando terreno dentro da igreja. A batalha pode parecer ser da carne, mas existem forças espirituais poderosas trabalhando atrás dos bastidores. Alguns pastores foram forçados a deixar o púlpito quase que imediatamente após pregarem um sermão criticando a Maçonaria. Outros simplesmente fizeram comentários em conversas particulares e mais tarde, essas conversas particulares vieram ao conhecimento dos maçons na congregação e eles começaram a trabalhar contra o pastor. Os pastores que refreiam sua língua e deixam de falar sobre a Maçonaria fazem isso porque estão temerosos da batalha. Preferem contemporizar a combater o bom combate. Escolhem deixar que os homens vão para o inferno do que arriscar perder o púlpito. Eles ou têm um emprego, e não um chamado, ou não têm fé suficiente que Deus proverá. É uma coisa terrível de dizer, mas é a verdade.

 

Qual é a pior coisa que poderia acontecer em uma Igreja com relação à Maçonaria?

Alguns acham que o pior cenário possível seria as igrejas cristãs examinarem o evangelho da Maçonaria, compará-lo com o evangelho de Jesus Cristo, e depois escolher adotar e pregar o evangelho maçônico em vez de o evangelho de Jesus Cristo. Para fazer isso, teriam de pregar a imitação a Hirão-Abi como a chave para poder dar as boas-vindas à morte e entrar no céu. Necessariamente negariam a fé em Jesus como o requisito necessário para a salvação. Na verdade, esse cenário não teria nenhum impacto na igreja. Não teria nenhum impacto porque cessaria de ser a igreja e os cristãos reconheceriam o erro imediatamente. A separação ocorreria rapidamente. Muitos permaneceriam, imitando Hirão-Abi, e afirmando serem cristãos. No entanto, aqueles que são selados pelo Espírito Santo não seriam enganados por essas declarações. Esse cenário eliminaria o requisito necessário da Maçonaria: O SEGREDO. Se o segredo, ou a aparência do segredo, não for mantido, a Maçonaria seria rapidamente reconhecida pelo que é.

Outros acreditam que o pior cenário possível que poderia ocorrer seria a igreja cristã examinar o evangelho da Maçonaria em detalhe, compará-lo com o evangelho de Jesus Cristo e depois proclamar do púlpito que examinaram a questão cuidadosamente e concluíram que a participação na Maçonaria não é um problema para o cristão, mas somente uma questão de consciência individual.

 

A implicação desse segundo cenário tem grande alcance

Como o deus da Maçonaria é um demônio e um dos propósitos principais da Maçonaria é a adoração, todos os maçons estão envolvidos em idolatria. A Bíblia é clara, os idólatras não herdarão o reino de Deus:

"Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus? Não erreis: nem os devassos, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus." [1 Coríntios 6:9-10].

As conseqüências de participar na promoção de um falso evangelho, encontradas em Gálatas 1:8-9, foram discutidas anteriormente. Como a Maçonaria envolve o homem na promoção de um falso evangelho, acoplado com a idolatria, é questionável se qualquer maçom será recebido no céu. A única esperança possível é se um homem não sabe com o que está envolvido. O artigo O Quanto Eles Sabem discute essa questão. Poucos poderão alegar ignorância. É muito perigoso ensinar que um homem pode participar na promoção de um falso deus e que ainda assim será recebido nos céus. Esse ensino anula a necessidade de arrependimento. Jesus Cristo deixou pouca dúvida sobre a necessidade de arrependimento:

"Não, vos digo; antes, se não vos arrependerdes, todos de igual modo perecereis."[Lucas 13:5].

Ensinar que um homem pode continuar em uma atividade que é idólatra e que promove um falso evangelho seria desviar-se dos ensinos de Jesus Cristo e dos apóstolos. O que João diz sobre aqueles que não perseverem nos ensinos de Cristo? Ele advertiu que eles podem não ter a Deus:

"Todo aquele que prevarica, e não persevera na doutrina de Cristo, não tem a Deus. Quem persevera na doutrina de Cristo, esse tem tanto ao Pai como ao Filho." [2 João 9].

Vemos que esse cenário poderia facilmente resultar em uma situação em que Jesus Cristo exige o arrependimento:

"Lembra-te, pois de onde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; quando não, brevemente a ti virei, e tirarei do seu lugar o teu castiçal, se não te arrependeres."[Veja Apocalipse 2:5].

 

O cenário do pior caso ocorreu na Convenção Batista do Sul dos EUA

Em 1992-1993, a Convenção Batista do Sul dos EUA investigou a Maçonaria e publicou um estudo intitulado A Study on Freemasonry e o relatório A Report on Freemasonry, que continha a seguinte recomendação:

"À luz do fato que muitos dogmas e ensinos da Maçonaria não são compatíveis com o cristianismo e com a doutrina batista sulista, enquanto outros são compatíveis com o cristianismo e com a doutrina batista sulista, recomendamos, portanto, que de acordo com as profundas convicções da nossa denominação com relação ao sacerdócio dos crentes e à autonomia da igreja local, a participação como membro da Ordem Maçônica seja uma questão de consciência individual. Portanto, exortamos os batistas sulistas a avaliarem cuidadosamente a Maçonaria, com muita oração, à luz do senhorio de Cristo, dos ensinos das Escrituras, e das análises deste relatório, sob a direção do Espírito Santo de Deus."

O estudo e o relatório foram produzidos pela Junta de Missões Nacionais (Home Missions Board) da Convenção Batista do Sul dos EUA. Os membros da Junta (aproximadamente oitenta pessoas) foram notificados por escrito da existência de um salvador maçônico antes de revisarem o relatório, que continha a recomendação que a participação como membro fosse uma questão de consciência pessoal. Mesmo com a evidência direta que a Maçonaria tem um salvador secreto, os membros da Junta votaram e aprovaram a posição herética. O relatório foi levado diante de toda a Convenção em 1993 e aprovado pelos mensageiros das várias igrejas. Nesse ponto, a Convenção Batista do Sul, como denominação, votou continuar permitindo que os maçons usem as igrejas como uma cobertura enquanto se reúnem em segredo na loja para ensinar salvação com base na imitação de Hirão-Abi. Desde aquele tempo, a Junta foi renomeada como North American Mission Board (Junta de Missões Norte-Americanas). A NAMB distribuiu o relatório emitido pela HMB após a mudança de nome.

A maioria das igrejas que fazem parte da Convenção adotou a posição e continua a permitir que os maçons não somente sejam membros, mas também pastores, diáconos e professores nas congregações. Um número relativamente pequeno discordou do estudo e do relatório e tomou uma posição contrária à Maçonaria. Algumas igrejas excluem os maçons do rol de membros. Outras os excluem dos cargos de liderança, como se fosse aceitável para os membros reunirem-se nas lojas e participarem em rituais que ensinam salvação com base em outro salvador.

A Igreja Batista de Northside, em Indianápolis, é uma congregação representativa da SBC que decidiu apoiar e até mesmo defender a Maçonaria. Ela fez isso, embora tenha visto evidências que substancie a existência de um salvador maçônico. A liderança examinou exemplares dos Monitores Maçônicos, incluindo o Kentucky Monitor, que diz que Jesus é o salvador dos cristãos, enquanto que Hirão-Abi é o salvador dos maçons. A congregação recebeu diversas correspondências que documentavam os fatos. Nosso folheto Devemos Ignorar o Salvador Secreto Deles Para Manter a Unidade na Igreja? foi oferecido àqueles que estavam no cadastro de mala direta da igreja. Além disso, foram oferecidas cópias xerográficas dos Documentos da Grande Loja, que documentavam a existência de um salvador maçônico, Hirão-Abi. Uma carta final foi publicada no nosso boletim informativo e enviada para eles durante o mês de setembro de 1999. Um cópia do Boletim Com Documentos de Apoio, que substancia a natureza luciferiana da Maçonaria e a existência do salvador maçônico pode ser obtida no formato PDF em nosso site. Permitimos a duplicação do documento.

 

LEIA TAMBÉM:
Tirando o véu da maçonaria. Pode um cristão ser maçom? (2 Co 4.1-4) Parte 11
Tirando o véu da maçonaria. Pode um cristão ser maçom? (2 Co 4.1-4) Parte 10
Tirando o véu da maçonaria. Pode um cristão ser maçom? (2 Co 4.1-4) Parte 9
Tirando o véu da maçonaria. Pode um cristão ser maçom? (2 Co 4.1-4) Parte 8
Tirando o véu da maçonaria. Pode um cristão ser maçom? (2 Co 4.1-4) Parte 7
Tirando o véu da maçonaria. Pode um cristão ser maçom? (2 Co 4.1-4) Parte 6
Tirando o véu da maçonaria. Pode um cristão ser maçom? (2 Co 4.1-4) Parte 5
Tirando o véu da maçonaria. Pode um cristão ser maçom? (2 Co 4.1-4) Parte 4
Tirando o véu da maçonaria. Pode um cristão ser maçom? (2 Co 4.1-4) Parte 3
Tirando o véu da maçonaria. Pode um cristão ser maçom? (2 Co 4.1-4) Parte 2
Tirando o véu da maçonaria. Pode um cristão ser maçom? (2 Co 4.1-4) Parte 1


Postar um comentário

Marcadores

A Fazenda (1) Abner Ferreira (2) Aborto (5) Adoração (1) Albert Pike (10) Aleister Crowley (7) Alex Jones (3) Alimentação (5) Amor (56) Anti-Cristo (27) Anton LaVey (9) Aplicativo (1) Apocalipse (49) Apostasia (75) Apóstolo Paulo (4) Aquino (2) Arrebatamento (2) Atalaia (1) Autoridade (7) Bancada Evangélica (13) Baphomet (7) Barack Obama (12) Batalha Espiritual (15) Big Brother (23) Bispo Macedo (10) Bispo Robson Rodovalho (1) Blogueiros (34) Brasília (2) Bruxaria (2) Bíblia (1) Bíblia Satânica (8) Cabala (6) Caim (2) Caio Fábio (1) Carnalidade (71) Carnaval (3) Catolicismo (9) Cenas fortes (1) CIA (4) Clube Bilderberg (10) Codex Alimentarius (1) Comunismo (1) Conspiração (48) Controle mental (43) Copa do Mundo (1) Copa do Mundo 2014 (2) Corrupção (78) Crianças (1) Crise na Europa (8) Crítica (3) Culto ao vivo (1) Cura (3) Daniel Estulin (6) Daniel Messac (1) Danilo Fernandes (1) Demas (1) Dep. João Campos (1) Depressão (4) Desafio (2) Desenho (1) Deuses (12) Dia dos Namorados (1) Dia dos Pais (1) Dinheiro (16) dr. Pedroza (1) Drogas (12) Dízimo (3) Economia (15) Edir Macedo (26) Educação (8) Egito (4) Elite global (35) Enoque Lima (4) Entretenimento (36) Entrevista (3) Escrever (1) Espiritismo (8) Espírito Santo (3) Estudo (85) Estupro (1) Estêvão (2) Fabio Pires (1) Facebook (3) Família (20) Faraó (6) Farsa Aquecimento Global (2) Feliz Ano Novo (1) FIFA (2) Filemom (1) Futebol (1) (37) G.A.D.U (25) Genizah (1) George Bush (1) Gnosticismo (3) Gospel (16) Gospel Mais (2) Graça (15) HAARP (4) Halloween (1) Hangout (21) História (10) Hitler (1) Homossexualismo (36) HSBC (1) Humanismo (12) Hórus (4) Idolatria (23) Igreja Em Ação (1) Igreja Universal (21) Illuminati (13) Influência (39) Internet (27) Irmãos (43) Isadora Faber (1) Islã (1) Israel (1) Jaime Santana (7) JAMI (2) Jesus (77) Jogo da Velha (1) Jogos (1) Jornal Estadão (1) Julian Assange (3) Julio Severo (3) Juventude (9) (1) Kuddle (1) Legalismo (2) Louvor (5) Lúcifer (29) MAFIA (3) Magia (10) Magno Malta (4) Manipulação (91) Manoel Ferreira (5) Marcha para Jesus (11) Marco Feliciano (16) Marcos Pereira (4) Marisa Lobo (3) Marília Camargo César (1) Matança (1) Matemática (2) Matrix (1) Maxwell Palheta (90) Mazzini (3) Maçonaria (148) Mensagem (92) Mensagem Subliminar (12) Microchip (1) Mike Murdoch (1) Mitologia Grega (2) MK Ultra (6) Moisés (2) MomentCam (1) Monsanto (1) Mortos (6) Moyses Macedo (1) Muçulmanos (5) Ménage à trois (1) Mídia (89) Múmia (1) Música Secular (9) Músicas (6) NASA (2) Necronomicon (2) Neemias Gomes (1) Nova Era (9) Nova Ordem Mundial (72) O Rappa (1) Ocultismo (50) Olho de Hórus (8) Olimpíadas Londres 2012 (3) Opinião (247) Paganismo (16) Palestra (7) Papa (3) papa francisco (1) Pastor (1) Paul Walker (2) Paul Washer (3) PC do B (4) Pecado (56) Perdão (21) Pirâmides (4) Poema (2) Política (141) Portugal (2) Praga (1) Proclamação da República (1) Programação Monarca (2) Pré Pós Tribulação (3) PSB (4) PSC (8) PSDB (10) Psicologia (3) PT (13) Rachel Sheherazade (1) Rafinha Bastos (1) Raquel Elana (2) Rebeldia (19) Rede Globo (20) Rede Record (4) Reflexão (121) Rei Davi (1) Religião (64) Rio de Janeiro (43) Rituais (20) Rotschild (2) Ruy Castro (1) Sacrifício (16) Salvação (50) Samuel Ferreira (6) Santidade (41) Satanismo (37) Saúde (19) Semíramis (2) Set (3) Silas Malafaia (46) Simbologias (13) Skinhead (1) Skull and Bones (2) Solidariedade (1) Stalin (1) Tecnologia (32) Templo de Salomão (2) Teologia da Prosperidade (11) Timóteo (1) Transgênicos (1) Trauma (5) Ufo (5) Universo Cristão (153) Usain Bolt (1) voyeurismo (3) Vídeos (225) WikiLeaks (3) Zumbi (2) Índios (1)